Mechanical Monsters

2016

A natureza é, a todo o momento, traída pela preponderância da autoconsciência e do aparato tecnológico. Seremos mais biologia ou tecnologia? Estaremos presos à condição humana ou escravos daquilo em que a transformámos? Monstros mecânicos entre a Natureza, com grandes olhos cegos, onde o mural do FaceBook é o epitáfio pós-moderno. Será a tecnologia o nosso sarcófago? Estaremos nós a construir a eternidade à medida que nos transformamos em Likes no Facebook?

“E todos morrem sem morrer de facto, desligam- se. Até o corpo, todo ele, se desintegrar. Partículas de pó e pixeis no ar. (...) E se tudo parar? Quem vai carregar nos botões? As camas ficam por fazer... Sobrevivem alguns posts pré programados no mural... com vídeos de cãezinhos a dançar, e gatinhos dentro de caixas, e miúdas badochas a dançar o créu a escorrer suor...”

Texto e Criação Rui Neto Interpretação Cristóvão Campos| Jani Zhao | João Vicente | Martyn Gama | Rúben Pêro | Susana Blazer (vídeo) | Roger Madureira | Diogo Garcia Llight Design João Rafael Silva Sound Design Cristóvão Campos  Video Art Henrique Carvalho Video Clip Pedro Salvado Vídeo Promo Roger Madureira Cenografia Rui Neto Coreografia Paulo Jesus e Rui Neto Fotografia Mariana Silva Fotografia de Cena Andreia Palma | Sílvia Santos Design Gráfico Rui Neto Produção Rui Neto Assessoria de Imprensa Mafalda Simões Apoio Cenográfico Duarte da Cunha Operação Técnica João Rafael Silva | Ricardo Foz | Rui Neto
Financiado por FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN | ERA UMA VEZ .. CABELEIREIRO
Apoios Companhia Olga Roriz | Escola de Mulheres | Comuna - Teatro de Pesquisa | A Vara Teatro | malavoadora | Duplacena | Dread Monkey | Boutique da Cultura | Nuno Vidigal | El Corte Inglês |Primeiros Sintomas | Sublimarte | Tenda | JRS | Turismo de Lisboa | Som3d | Oficinas Lisboa