Trocava a Minha Fama por uma Caneca de Cerveja

2016

Hora de Almoço. Lunch time. No teatro. At the Theater. A comida. The food. E a bebida. And the drinks. E as palavras. And the words. As palavras. The words, always the words. Sempre as palavras. À mesa. At lunch table. E Shakespeare a rondar a boca. E a rondar os olhos. And Shakespeare hanging around the mouth. And around the eyes. E dentro das nossas cabeças. And inside our heads. O meu reino por um bife a cavalo. A minha fama por uma caneca de cerveja. My kingdom for a steak with fried egg on top. My fame for a mug of beer.

A criaçao é em si mesmo um acto revolucionário. A busca da gramática certa para definir pensamentos e discursos que palpitam, ora nas nossas cabeças, ora em Shakespeare, ora a toda a hora, ora em todo o lado. Por vezes dormentes no esquecimento e na inanidade. Partimos daqui conscientes de que o palco é o nosso espaço político. Conscientes de que a guerra prossegue independentemente dos olhos. Conscientes de que Shakespeare pode ser revolução, comida e pólvora.

Criação Rui Neto e Teresa Sobral Textos originais e reescrita a partir de Shakespeare e Heiner Müller Espaço Sonoro Miguel Sobral Curado Fotografia Alípio Padilha Figurinos gentilmente cedidos pelo TNDMII (Miguel Sobral Curado: Nuno Carinhas; Rui Neto: Storytaylors; Teresa Sobral: Storytaylors); Interpretação Miguel Sobral Curado, Rui Neto, Teresa Sobral; Produção executiva  LoboMau Produções Apoios A Marmita, Exército Português, Talhos Luis & Edgar, Teatro Nacional D. Maria II Apresentação São Luiz Teatro Municipal